Baidu apresenta perdas financeiras no primeiro trimestre de 2019
linux centro by megabite
News

Baidu apresenta perdas financeiras no primeiro trimestre de 2019

A Baidu não vive um bom momento, após ter tentado ser a Google da China e enxurrar o mercado com diversos softwares desenvolvidos por ela, para os mais diferentes segmentos como antivírus, gerenciador de arquivos, navegador e assim por diante.

Porém suas práticas invasivas, fizeram a empresa perder credibilidade e acabar saindo do mercado do ocidente e focar seus esforços em inteligência artificial e uma divisão independente de aplicativos mobiles, a Du Global, que tinha seus próprios aplicativos e outros que adquiriu, porém recentemente teve um grande abalo em seu funcionamento, ao ser banida da Play Store, por problemas éticos na monetização por publicidade em seus aplicativos, clique aqui para saber mais deste caso.

Agora, para agravar a maré de azar, a empresa registrou seu primeiro trimestre negativo, desde 2005, com um prejuízo de US$ 49 milhões de dólares.

Apesar disso, a receita da companhia mostrou um crescimento de 15%, quando comparado com o mesmo período de 2018, sua receita total ficou em US$ 3.5 bilhões de dólares.

O cenário que temos é na verdade uma tentativa da Baidu de permanecer relevante, a empresa virou seu foco para a inteligência artificial, comprando e investindo em diversas Startups com propostas no segmento, adicionou algoritmos por inteligência artificial em seu aplicativo de buscas da china, com a proposta de sugerir de forma preditiva, conteúdo para seus usuários e tem apostado fortemente em seus robôs autônomos e assistentes de voz.

Esses altos investimentos são claramente o principal motivo das perdas financeiras para esse trimestre e estes ocasionados pelo insucesso da empresa em outros segmentos, principalmente no ocidente (Uma vez que a Baidu ainda é o principal mecanismo de buscas da China).

E você? Já utilizou algo da Baidu? Acredita que a empresa irá liderar a demanda de inteligência artificial da China?

Fonte: TechCrunch