Colunas

Vivemos em uma era semi-tecnológica?

Falamos muito atualmente sobre novas e novas tecnologias, são diversos segmentos, mercados e formas de comportar-se com algo que estão sendo substituídas por softwares e serviços na internet.

Porém, ao fim das contas, o 100% digital, a solução prática e desprovida de maiores burocracias ou trabalhos físicos, acabam não sendo tão inovadoras como poderiam ser ou imaginamos que seriam. Você acredita que hoje pode viver totalmente online?

Chega a ser um pouco frustrante quando decidimos migrar para um serviço que ofereça uma conta e cartão de crédito 100% digital, mas que no meio do processo, depende inteiramente de uma verificação burocrática da foto de seu documento e caso esteja diferente atualmente do que está na foto do documento físico, tens a sua análise bloqueada ou impedida. Esse é um dos pequenos problemas que encontramos em uma era semi-tecnológica, onde apesar de grandes apostas no funcionamento online para serviços, estes ainda acabam com parte de seus processos dependentes de processos físicos e burocráticos.

Esses cenários são encontrados em outros momentos das atuais tecnologias, como na hora que vais usar seu aplicativo de transporte particular e ele simplesmente, resolve criticar sua conta PayPal ou cartão de crédito, sem qualquer motivo para este, considerando a necessidade de agilidade que muitas vezes precisamos deste tipo de serviço, acabamos tendo que recorrer a outra solução ou depender da compra de um gift card ou pagamento em dinheiro, quebrando todo o processo de conforto, segurança e agilidade que essa modalidade poderia lhe resolver por completo.

Ainda não muito longe desses pequenos contratempos, podemos encontrar na hora do pedido de nossa refeição, um restaurante que não aceita o pagamento pelo aplicativo que estás fazendo o pedido, quebrando a comodidade que seria simplesmente pagar com seu GPay e ter a intranquilidade de ter que entregar seu cartão para o entregador, até mesmo adicionando alguns minutos desnecessários ao processo.

São pequenos acontecimentos, pequenas quebras no meio dos processos digitais, pequenas dependências de comportamentos tradicionais e soluções mais burocráticas e físicas que vemos como muitas tecnologias estão surgindo, mas muito ainda está sendo esquecido, longe estamos de sermos uma sociedade totalmente conectada e ágil com as soluções tecnológicas, o que faz este simples autor considerar que ainda estamos em uma fase semi-tecnológica.

Existem várias e várias outras situações que podem passar despercebidas em seu dia a dia, mas que quando olhadas com atenção fazem com que a pergunta inicial desta matéria, seja que não, ainda não podemos viver 100% online.

É válido e importante lembrar que essa matéria não possui qualquer valor científico, sendo apenas um texto rápido com o intuito de incentivar a pauta entre nossos leitores.

Back to top button